Pátria mãe gentil?

Texto e fotos: Vinicius Souza e Maria Eugênia Sá

http://www.mediaquatro.com

 

 

Débora Silva, mãe de Rogério, fundadora das Mães de Maio

Débora Silva, mãe de Rogério, fundadora das Mães de Maio

No dia das mães de 2006, o Primeiro Comando do Capital, grupo organizado para proteger presidiários depois do Massacre do Carandiru, em 1992, lançou um “Salve Geral”. Era a ordem para matar policiais em todo o Estado de São Paulo. O pânico se espalhou pelas cidades enquanto oficiais da lei, fardados ou não, eram assassinados.

Elvira Ferreira, mãe de Ricardo

Elvira Ferreira, mãe de Ricardo

A ação só terminou quando um suposto acordo entre os criminosos e o governo foi fechado. Sem medo de emboscadas, a polícia estava liberada para dar sua “resposta”. Entre 12 e 20 de maio daquele ano ao menos 493 pessoas, quase todos jovens, negros e moradores da periferia, muitos com alguma ficha policial, foram mortos ou desaparecidos. É mais do que o número oficial de assassinados pela Ditadura Civil-Militar entre 1964 e 1985 (357). Para esses, contudo, não há uma Comissão da Verdade. Não existe NENHUM processo ou investigação oficial sobre essas mortes concluído ou em andamento.

Ao centro, Helena Fonseca, mãe de Fábio, o “Sorriso”

Ao centro, Helena Fonseca, mãe de Fábio, o “Sorriso”

Missa das Mães

Missa das Mães

Desde 2006, milhares de outras mães, assim como Maria mãe de Jesus, perderam seus filhos mortos pelas forças de um Estado opressor. Segundo pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, pelo menos 18 mil pessoas foram executadas pela polícia brasileira entre 2003 e 2012. Mais do que qualquer país com pena de morte.

a dor pelos filhos mortos

a dor pelos filhos mortos

Maria Helena, mãe de José Rodrigo

Maria Helena, mãe de José Rodrigo

Ricardo, filho de Elvira Ferreira, auxiliar de uma universidade privada de Santos e assassinado depois de discutir com dois policiais em novembro de 2013, é só mais um exemplo a se somar a tantos rogérios, fábios, rodrigos… Por isso, todos os anos, no segundo domingo de maio, as Mães de Maio relembram seus entes queridos e lançam um grito por Justiça. Um berro de dor contra a impunidade. Um clamor para que se olhe, enquanto é tempo, pelos outros mários, marcelos, vitors, renatos, josés… Agora e na hora da nossa morte. Amém.

 

Olhai por nós

Olhai por nós

 

vai também/see also:  http://www.mediaquatro.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s